MENU

Da solidão ao autoconhecimento

No nosso ultimo texto falamos sobre a seriedade do namoro, e de como devemos tratar tal assunto. Hoje iremos falar de alguns aspectos da vida de solteiro que nos ajudam a viver bons relacionamentos e a construir relações duradouras.

Chapolim

Muitos não dão valor ao tempo em que estão solteiros e buscam desesperadamente entrar em um relacionamento, já outros acreditam que nasceram para ser solteiros e por isso fogem de relacionamentos. É necessário entender que para tudo há um tempo de baixo do céu (Ecle. 3, 1), e este tempo de solteiro, assim como todos os outros, precisa ser bem vivido.

Autoconhecimento

Para a boa vivência desse tempo separamos alguns aspectos que julgamos importantes, um deles é o autoconhecimento. Buscar o autoconhecimento quando se está solteiro é tão importante quanto o conhecimento do outro quando se deseja iniciar um relacionamento. Este é o tempo de preparação para receber a pessoa que Deus tem pra você, é tempo de conhecimento interior, daquilo que você realmente é, de amar-se (pois só se percebe amado e sabe amar o outro aquele que se ama primeiro), é também tempo de perceber o que precisa ser melhorado, tempo de aproximação com Deus e de vivência de intimidade com Ele.
Podemos pegar como ferramenta de estudo para o autoconhecimento a Teologia do Corpo, de São João Paulo II, principalmente nas catequeses onde ele trata da solidão original (veja aqui), onde Deus e o homem percebem que não é bom que ele (o homem) esteja só. No capítulo 2 do livro do Gênesis lemos que Deus criou o homem e o colocou no jardim do Éden e depois percebeu que não era bom que ele, enquanto ser, estivesse só. Então Deus criou os animais e os fez passar para que Adão os nomeasse. Ele deu um nome a cada um, mas mesmo assim não conseguiu achar um que se assemelhasse a ele, uma companhia e ajuda que lhe fosse adequada. E é justamente aí onde o homem se percebe só.

Leia mais sobre a solidão original aqui.

Mas como pode o homem se reconhecer só sem o conhecimento de si mesmo? São João Paulo II disse que neste trecho (Gen 2, 19-20) está o primeiro ato de autoconhecimento do homem, e onde ele, “consequentemente se revela a si mesmo e ao mesmo tempo se afirma no mundo visível como ‘pessoa’”(TdC). Podemos concluir então que o homem se revela e se reconhece como pessoa a partir de uma experiência de autoconhecimento. E nos versículos seguintes Deus forma a mulher, e dá a Adão sua companheira adequada.
Note que somente depois que o homem passou por uma experiência de autoconhecimento foi que Deus lhe deu sua companhia. Então você jovem católico que está solteiro(a), antes de procurar um(a) namorado(a) procure se conhecer melhor, faça exercícios de autoconhecimento através da oração, meditação da sagrada escritura e momentos de silêncio e solidão com Deus.

Amizades

Porém, viver esse tempo de espera e de autoconhecimento, não quer dizer estar ou ficar isolado do mundo – sozinho trancado no quarto. Pelo contrário, é necessário que nesse tempo nos dediquemos em estar mais próximo da família e das amizades. São as amizades certas que nos ajudarão a viver essa espera e a enxergar a vontade de Deus com mais clareza.
Nosso primeiro lugar de formação é a famílias, e é lá onde estão – ou devem estar – nossos melhores amigos. É nesse ambiente onde devemos aprender a lidar com as pessoas que amamos e suportar suas limitações e falhas. Pois se você não suporta nem seus pais ou seus irmãos que são sangue do seu sangue, com quem você convive a vida toda, como irá suportar outra pessoa totalmente diferente como seu(sua) futuro(a) namorado(a)? Pense nisso!
Boas amizades são aquelas que te levam para Deus, aquelas que te exortam com misericórdia quando você erra ou sai da linha. Não se pode ter um bom namoro sem antes ter boas amizades, pois é nelas que você aprende a compartilhar dos momentos bons e ruins de um “desconhecido”. No próximo post falaremos mais da amizade antes e durante o namoro, mas que você possa saber desde já que é algo muitíssimo importante para a construção de relacionamentos duradouros e sinceros.

Solteiro para sempre?

A vocação natural do homem é o matrimônio, a ordem (padres e freiras) é uma vocação sobrenatural, mas ser solteiro não é vocação. Um católico tem que se consagrar ou se casar, pois fora disso não há plena comunhão com Deus. Pois Deus nos criou para o outro, e não podemos viver só para nós mesmos.
O matrimônio é um sacramente instituído na eternidade em Adão e Eva, a ordem o sacramento onde a imitação de Cristo é vivida de forma mais intensa no celibato, mas “solteirice” não é sacramento. Portanto esqueça essa história de “solteiritite”, de ficar sozinho pra sempre, etc. Viva o autoconhecimento e cultive boas amizades, o que é seu tá guardado por Deus.

Deus tem o melhor para você, espere, reze e Ele lhe surpreenderá.

E para se inspirar um pouco veja este vídeo:

Continuem rezando conosco, e que Deus os abençoe.

Jayr & Luana

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *