MENU

Intimidade com Deus

A palavra intimidade vem do latim “intimus” , um super-relativo de “in“, que quer dizer “em” ou “dentro”. Mas seu sentido prático nem sempre é fácil de expressar, pois seus significados variam de relacionamento para relacionamento. Ela está ligada aos sentimentos, emoções e ao afeto do ser humano.
A intimidade tem três dimensões:
A dimensão pessoal, que se refere ao ser humano como um ser individual, abrangendo suas história e vivências, sua comunicação e seu estado de humor. É individual por que Deus nos criou de forma única, não somos fabricados em série e de forma genérica, mas fomos pensados e planejados uma única vez, cada um de forma total e individual;
A dimensão relacional, que está relacionada a todas as relações humanas interpessoais, tudo aquilo que é contato, onde são utilizados os sentidos do nosso corpo;
A dimensão universal, que está relacionada aos contextos espacial, temporal e histórico e, por isso não é fixa, mas muito variável, pois as pessoas não estão sempre no mesmo lugar, seja cidade, estado ou país; o tempo passa, não para um só instante, e a história muda a cada passo dado e escolha feita, seja pessoalmente ou universalmente.
Ter intimidade com uma pessoa é estar diretamente envolvido em, pelo menos, uma destas três dimensões, portanto estar em intimidade com Deus é entrega-Lo a nossa vida pessoal, nossos relacionamentos e nossa história. Deixar que Ele veja cada detalhe, não esconder nada, ou seja, precisamos ser nós mesmos na presença do Senhor, pois só assim estaremos intimamente ligados a Ele, assim como O mesmo deseja.
Ser intimo de Deus é extremamente necessário e bom para o cristão, pois Ele nos quer perto, nos ama, e apaixonadamente deseja nossa presença. O ser humano tem em si um vazio, não físico, mas emocional, que só Aquele que o criou pode preencher. Este vazio precisa ser preenchido, por isso o ser humano está sempre em busca de algo, assim está sempre em busca de Deus, mesmo que não saiba ou nem mesmo acredite na Sua existência. O vazio é tão grande, que as vezes buscamos preenche-lo com outras coisas, criamos nossos próprios “deuses” e idolatramos a nós mesmo ou a outras pessoas. Por isso para evitar a idolatria, devemos estar próximo de Deus, para assim declara-Lo como Senhor e único Deus.
É um desafio para nós estar em intimidade com Jesus, especialmente nos tempos de hoje, onde tudo é corrido, onde todos estão com pressa e ninguém tem tempo para nada. A humanidade tem esquecido de Deus, Ele não é mais tão importante para muita gente, ninguém mais quer saber de rezar. Infelizmente vivemos em um tempo em que o mal é exaltado e o bem é desprezado, por isso a vida de oração é deixada de lado, principalmente nas famílias que mal param juntas, quanto menos rezam juntas. Não se procura mais a presença divina, o homem pensa ter encontrado coisas mais agradáveis que ela, mas se engana, infeliz é aquele que se gloria de suas próprias malícias (Cf. Sl 51, 1).
Porém, aquele que já provou da presença de Deus conhece sua força, aquele que já viveu ou vive na graça sabe que ela é bem maior que qualquer coisa, que não há nada que se compare a sentir a presença de Jesus, que se mostra vivo a nós de forma concreta nas coisas simples ou não. Jesus disse “Eu sou o Caminho a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai se não por Mim.”(Jo 14, 6). Ele é o caminho, mas qual o caminho para Ele? – O caminho para Jesus é a oração sincera que brota do fundo do coração, pois “quando uma pessoa ora, entra em relação viva com Deus”(YOUCAT 469). A oração é uma das três colunas para se viver a intimidade com Deus, mais especificamente a oração pessoal, esta que por sua vez “vive da fidelidade” (YOUCAT 492), ou seja, se alimenta de si mesma, pois é um dom que se obtém praticando. Rezar é se aproximar do Senhor e buscar Sua amizade, aquele que ora se entrega cada vez mais nas mãos de Jesus, ficando mais perto da vontade d’Ele. A carta de São Tiago diz: “Aproximai-vos de Deus, e Ele se aproximará de vós.”(Tg 4, 8a)
A segunda coluna para se viver a intimidade com Deus é a vivência frequente dos sacramentos, onde Cristo de revela de forma concreta, comunitária e pessoalmente. Os santos místicos tiveram um contato e um encontro pessoal com Jesus pela mística, mas nós temos esse encontro pelos sacramentos, que trazem para nossa vida a passagem do livro do Apocalipse que diz: “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos juntos, eu com ele e ele comigo.” (Apocalipse 3, 20) Os sacramentos são o próprio Cristo que bate delicadamente na porta de nossos corações, resta a nós abrir, para que Ele ceie conosco e nós com Ele, assim estabelecendo uma comunhão intima.
Para ter uma vida de intimidade com Deus é necessário que se viva também em unidade com os irmãos, esta é a terceira coluna. Fomos criados de forma pessoal, e única, um completando o outro, por isso devemos viver juntos, somos criados para viver juntos. A humanidade vive em comunidade desde os primórdios, e o cristianismo veio trazer um novo conceito, uma nova forma de ver e viver a vida comunitária, como vemos no livro dos Atos dos Apóstolos, “a multidão de fiéis era um só coração e uma só alma.”(At 4, 32a) Eles eram cheios do Espírito Santo e viviam conforme Seus desígnios instruídos pelos apóstolos, estando assim em profunda intimida com Deus e entre si. Assim, também nós devemos viver em unidade, como a oração da Igreja diz: “fazei de nós um só corpo e um só espírito”. Esta coluna (a unidade) depende das outras duas para se manter em pé, tanto da oração pessoal de cada um, quanto da vivência dos sacramentos.
Não só a unidade depende das outras colunas, mas todas dependem uma da outra, elas em si já vivem uma relação de intimidade, assim como a Santíssima Trindade que vive uma relação de intimidade, mas que também nos proporciona intimidade. A Trindade é uma comunidade de amor, comunidade esta que nos quer por seus membros, para nós isto é impossível, mas para Deus tudo é possível.
Deus nos chama a viver a unidade e também a intimidade com Ele, pela oração, pelos sacramentos e pela vivencia efetiva da unidade fraternal. E acredite, você pode, isto não é algo impossível ou só para pessoas escolhidas, mas para todos os cristãos, e além do mais é da vontade de Senhor, que nos quer cada vez mais perto. Aproximemo-nos de d’Ele então, para que nossa vida tenha sentido.


Referências bibliográficas:
– WIKIPÉDIA.Intimidade. Disponível em:<http://pt.wikipedia.org/wiki/Intimidade>. Acessado em 26 de set. de 2013.
– YOUCAT, Vaticano, 2011.

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *