MENU

Rei Davi e hobbits, as aparências enganam

Rei Davi é uma figura bíblica, um homem que foi rei de Israel durante um longo tempo, e é lembrado como um dos maiores líderes do povo hebreu. Por outro lado, hobbits são criaturas fictícias, criadas por J.R.R. Tolkien, autor de obras como O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Mas o quê essas criaturinhas, que nem se quer existem de verdade, têm haver com Davi?

Hobbits

Hobbits são criaturas pequenas, como mais ou menos 1 metro e 20 centímetros de altura e vivem geralmente em tocas. São pacatos e não gostam muito de se arriscarem em aventuras, preferem ter boas refeições e camas quentinhas para dormir.

Em sua toca jamais falta boa comida, erva de fumo e uma boa cerveja, coisas que um hobbit precisa para se sentir bem. São recolhidos e não se comunicam muito com estranhos e evitam em muitos casos o contato com as pessoas grandes, que é como chamam os humanos.

São criaturas tão frágeis que ninguém jamais poderia imaginar que um deles era capaz de sair e lutar pelo seu lar e pelo seu mundo, e assim, na mitologia de Tolkien salvar a Terra Média da ameaça de Sauron.

O pequeno Davi

Todo mundo conhece a história do pequeno rapaz que com algumas pedras derrotou um gigante. Pequeno mesmo, o menor e mais jovem de oito irmãos. Pastor de ovelha, o que na época o fazia menor ainda diante da sociedade.

Um garoto franzino, mas cheio de coragem e determinação, porém, mesmo assim, ninguém podia imaginar que ele um dia seria um grande guerreiro e depois um rei poderoso de um reino promissor.

O Interventor

Tolkien era católico tradicional, e sua obra é cheia de referências diretas ou indiretas de elementos e personalidades cristãs. São vários arquétipos de personagens, como no caso de Gandalf, o cinzento. Um mago de barba cumprida e capa cinza, que na trama desempenha o papel semelhante ao de um profeta do antigo testamento bíblico.

Ele andava de um lado para outro da Terra Média, investigando os planos do mal para destruí-los, trazendo sempre avisos do que estava para acontecer e sendo o consolador dos humildes, e até o divertimento das crianças com seus fogos de artifícios.

Gandalf via nos hobbits mais do que as outras pessoas viam, e sabia que a pureza de seus corações poderia ser determinante para o futuro de seu mundo. Seria Gandalf a chamar Frodo para cumprir uma missão perigosa, assim como tinha feito com seu tio Bilbo há alguns anos atrás.

Por outro lado, temos o profeta Samuel, que desde muito cedo serve ao Senhor proclamando Sua vontade a todo o povo de Israel. Ele era respeitado por todo o povo e muitos viam nele a esperança que vinha de Deus.

Coube a Samuel a missão de ungir o novo rei de Israel, pois O Senhor estava descontente com o reinado de Saul. Por isso enviou o profeta a uma cidade pequena chamada Belém, à casa de homem chamado Jessé, para ungir um de seus filhos.

O chamado

Na casa de Jessé, Samuel pediu que se lhe apresentassem seus filhos, que os fizessem passar um por um, pois O Senhor lhe diria qual deveria ser ungido. E logo que entraram, Samuel viu Eliab, e pensou ser ele, pois o viu belo, alto e forte. Mas o Senhor lhe disse:

Não te deixes impressionar pelo seu belo aspecto, nem pela sua alta estatura, pois eu o rejeitei. O que o homem vê não é o que importa: o homem vê a face, mas o Senhor olha o coração. (Samuel 16, 7)

Passaram todos os filhos de Jessé que ali estavam, porém restava outro mais jovem que estava nos campos pastoreando, e Samuel mandou chama-lo. E logo que Davi entrou o Senhor disse a Samuel: “Vamos, unge-o, é ele” (Sam 16, 12). E o profeta o ungiu para ser rei de Israel, povo escolhido por Deus.

Ninguém poderia imaginar, que aquele rapaz que levava suas ovelhas aos campos para pastar, e as conduzia para beber agua fresca um dia conduziria o povo de Israel. Assim como ninguém imaginava que Frodo Bolseiro, o jovem hobbit que morava com o tio na vila dos hobbits poderia dar o passo que salvou a Terra Média da maldade de Sauron. E no caso de Frodo tudo começou com Gandalf, o mensageiro, o conselheiro, o enigmático.

Quando Frodo recebeu aquele Anel do seu tio Bilbo ele não imagina no que ele o meteria. Nem ao menos Gandalf sabia ao certo do que aquele objeto era capaz. Mas quando se descobriu o que poderia acontecer se Sauron pusesse as mãos no seu precioso, o primeiro a se oferecer para levar o anel à montanha da perdição para ser destruído foi o jovem hobbit. E com a confiança e conselho de Elrond, Gandalf e outros, partiu, em comitiva, na direção do que poderia ser sua perdição.

O desfecho

Ambos tiveram medo, tanto Frodo como Davi, ambos tiveram suas quedas, mas deitaram em seus túmulos com a sensação de dever cumprido, e assim confundiram os fortes, derrotaram os grandes e soberbos. E de uma pessoa pequena, simples e humilde veio a salvação de uma geração, mesmo quando tudo parecia perdido.

É o que Tolkien chama de eucatástrofe, exatamente o contrário de catástrofe, pois tudo parecia perdido e de repente por algum motivo misterioso, tudo terminou bem. Assim como na vida de Davi, quando o exército de Israel temia o grande Golias, eis que Davi o derrotou com algumas pedras e um estilingue. As aparências enganam.

Deus usa dos pequenos, e por meio deles faz maravilhas, e o maior exemplo é a história de uma criança que nasceu em uma gruta e tinha pais pobres, mas que era rei por excelência. Mas essa é uma história para outro momento, em breve postarei mais um texto sobre o tema. Aguardem.

Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *